Crenças de profissionais da saúde sobre o risco de colonização por agentes microbiológicos

Ludimila Silva, Regiane Barreto, Cyanéa Gebrim, Karina Suzuki, Maria Alves Barbosa, Marinésia Aparecida Prado

Resumo


O objetivo deste estudo foi identificar as crenças de profissionais de saúde sobre micro-organismos resistentes a antimicrobianos e os riscos oferecidos pelo profissional colonizado. Pesquisa qualitativa, analisada segundo o Modelo de Crenças em Saúde de Rosenstock (1974), realizada de junho a agosto de 2012, em uma Unidade de Terapia Intensiva infantil do centro-oeste do Brasil. Participaram 22 trabalhadoras, 50,2% enfermeiras; 31,8% técnicas em enfermagem; 4,5% fisioterapeuta; 4,5% fonoaudióloga; 4,5% serviços gerais e 4,5% médica residente. O conhecimento foi afirmativo para 63,6%. Para 95,5%, o profissional colonizado oferece riscos à equipe e aos pacientes e 81,8% associaram dificuldades de tratamento e índices elevados de mortalidade. Entretanto, os discursos apresentaram crenças contraditórias. Recomenda-se programas de educação continuada objetivando agregar valores e conhecimentos em prol da práxis segura.

Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.