Instituição Asilar - Percepções e vivências dos idosos residentes na construção do cotidiano

  • Renata Alessandra Evangelista
  • Alexandre Assis Bueno
  • Jessica Neto Nascimento
  • Neilene Araújo Teieira
  • Graciele Pereira Aires
  • Débora Borges

Resumo

O objetivo foi avaliar a percepção dos idosos residentes de uma instituição de longa permanência sobre o processo de institucionalização. Entrevistamos 14 sujeitos, cinco mulheres e nove homens, com idades entre 60 e 92 anos. Utilizamos metodologia qualitativa e um instrumento de coleta de dados que continha uma entrevista semi-estruturada com dados sóciodemográficos, estado marital, gênero, escolaridade, aposentadoria. E uma questão norteadora “Conte-me como é sua vida, o que o senhor faz e como veio morar aqui” em que questionamos sobre a trajetória de vida, buscando apreender conceitos de vida/morte e sociabilidade/solidão enquanto indivíduos asilados, através entrevistas foram interpretadas segundo Análise Temática de Bardin (2010). A partir da análise, obtivemos temas relacionados a sentimento de abandono, solidão, revolta, ingratidão, convívio com a dor crônica, satisfação de moradia na instituição asilar, produtividade e relacionamento social. Diante dos temas apresentados, foi possível agrupá-los em três categorias tais como: o que os idosos sentem, o que os idosos percebem e o que idosos desejam. A percepção dos idosos asilados sobre a instituição longa permanência e sobre si mesmos é referida de forma heterogênea nas respostas às entrevistas feitas. Alguns idosos apontaram aspectos positivos e negativos sobre o processo de institucionalização como bom relacionamento entre os moradores da instituição e possibilidade de realizar as tarefas da vida diária como positivo e isolamento e solidão como negativo. Observamos que a velhice é vivida de forma diferente por homens e mulheres e para explicar esta diferença devemos considerar fatores culturais, emocionais e socioeconômicos. 

Publicado
2015-12-07