Paradigma sistêmico: origens e desdobramentos

  • Susana Webering

Resumo

O reconhecimento de fenômenos sistêmicos em diversas áreas do conhecimento levaram o biólogo Bertalanffy a introduzir duas novas hipóteses no pensamento científico: os sistemas abertos e a teleologia, que não se encaixavam nas variações do objetivismo dominante nas ciências. Seu trabalho foi recebido com críticas, mas com o impasse a que havia chegado o estruturalismo e os desdobramentos observados no próprio pensamento científico e em áreas como a Biologia, especialmente a partir da década de 1960, observou-se a consolidação de um paradigma sistêmico, que reconhece o objeto ou fenômeno sistêmico, em constante interação com o ambiente, exercendo sua autonomia, construindo e se reconstruindo através de suas interações. Para os estudiosos de sistemas, isto representou uma nova forma de modelização, a (re)introdução da complexidade, a ampliação das teorias sobre organização e, por fim, o reconhecimento da autonomia, tanto do objeto ou fenômeno, quanto do próprio modelizador ou pesquisador. 

Publicado
2016-07-08