Itinerário Terapêutico: idoso após fratura do quadril

  • Elenir Pereira de Paiva
  • Fabiano Bolpato Loures
  • Cristina Arreguy de Senna
  • Mailson Gomes
  • Luciene Muniz Braga

Resumo

O artigo pretende identificar o fluxo do atendimento de idosos com fratura do quadril, segundo suas percepções, desde a sua entrada no Serviço Público de Saúde até a realização da cirurgia. Realizou-se um estudo de casos em idosos portadores de fratura do quadril por meio de entrevistas gravadas e analisadas no programa Nvivo. Participaram do estudo vinte idosos. Identificaram-se quatro categorias temáticas: a demora no atendimento, a falta dos profissionais médico e enfermeiro, a falta de informação e a gratidão após o tratamento. Não existe fluxo natural ou protocolar no atendimento recebido. Ao apontar fatores que geram sofrimento físico e psíquico nos idosos portadores de fratura do quadril reafirma-se a necessidade de critérios específicos para atendimento e fluxo capaz de gerar acessibilidade em tempo hábil para efetividade das condutas cirúrgicas. 

Publicado
2016-07-14