Limites e potencialidades dos profissionais, instituições e políticas públicas para o enfrentamento da violência doméstica infantil na Atenção Primária de Saúde: visão dos gestores

  • Emiko Egry
  • Mylene Silva
  • Karen So
  • Maíra Apostólico

Resumo

Estudo descritivo e qualitativo, cujos objetivos foram identificar e descrever os profissionais, as instituições e as políticas públicas que atuam no enfrentamento da violência doméstica infantil. Foram analisadas 17 entrevistas semiestruturadas, realizadas com gestores da Atenção Básica e os profissionais de referência na unidade de saúde para rede de proteção, em dois cenários brasileiros: Distritos Boa Vista e Bairro Novo de Curitiba/PR e Distrito Capão Redondo de São Paulo/SP. Os resultados revelaram potencialidades e fragilidades, a partir da percepção dos entrevistados. Há prevalência de fragilidades nas três dimensões – profissional, institucional e políticas -, tais como, despreparo e insegurança para lidar com a violência e suas formas de enfrentamento, dificuldade em realizar ações inter setoriais orquestradas e pouca efetivação das políticas públicas atreladas aos sub financiamentos. As potencialidades apontadas se referiram a atuação de uma equipe multiprofissional envolvida na avaliação das necessidades das vítimas e monitoramento dos casos notificados.

Publicado
2016-07-06