Uma Dermoteca por Vir para Criação de Vídeo-Cartas (não) Filosóficas no Percurso de Aparição de um Corpoimagem

  • Maruzia Dultra
  • Joaquim Neto

Resumo

Este artigo apresenta a estratégia poética chamada Dermoteca, produzida no processo de composição das vídeo-cartas (não) filosóficas desta pesquisa. A elaboração dessa “coleção de peles” consiste na captação videográfica da superfície dérmica humana, utilizando o enquadramento da câmera em plano detalhe e seu movimento em travelling lateral horizontal por sobre o contorno do corpo, como se o ponto de vista da gravação fosse o de uma mão que o percorre: a “câmera subjetiva” do toque. Neste sentido, o vir a ser da Dermoteca situa-se entre a imagem da textura da pele e a textura da imagem da pele. Junto a outros elementos, constitui uma metodologia que vem sendo desenvolvida através de experimentações verbiaudiovisuais que pretendem provocar a “aparição de um corpoimagem” nos âmbitos poético e conceitual. Assim, esta investigação tensiona a relação entre Arte, Ciência e Filosofia, e explora os limiares escrita/imagem, corpo/vídeo, sensível/inteligível, particular/coletivo, público/íntimo – tal qual a pele.

Publicado
2016-07-07