Jogos Olímpicos Rio 2016: uma análise qualitativa de reportagens sobre mulheres atletas

  • Lucimara Fornari
  • Rafaela Gessner
  • Rosa Fonseca
  • Danyelle Santos
  • Emiko Egry

Resumo

Objetivou-se identificar as tendências de reiteração ou superação das desigualdades de gênero em matérias sobre mulheres atletas publicadas em jornais brasileiros. Pesquisa exploratória, descritiva, de abordagem qualitativa, baseada na Teoria de Intervenção Práxica de Enfermagem em Saúde Coletiva. Os dados foram coletados a partir de reportagens publicadas nos cadernos especiais sobre as Olimpíadas Rio 2016 de dois jornais brasileiros de circulação nacional. Foram selecionadas 51 reportagens. Os textos foram submetidos à Análise de Conteúdo e os dados processados no Software WebQDA. A cobertura midíatica reproduziu padrões sexistas socialmente construídos ao retratar as atletas utilizando características femininas estereotipadas. Ademais, apontou desigualdades de gênero ao descrever situações de violência contra as atletas perpetradas por membros das equipes técnicas e torcedores. Apesar da visibilidade dada ao protagonismo das atletas, a mídia tendeu a produzir e reproduzir estereótipos de gênero. Nesse âmbito é necessário desconstruir e enfrentar as desigualdades entre homens e mulheres.

Publicado
2017-07-05